Presidente do Ceará opina sobre direito ao voto do sócio-torcedor

Foto: Leonardo Alves / @leofotos._

O sócio-torcedor do Ceará ter direito a voto para eleger gestão executiva ainda é uma discussão que não é unanimidade. Em reunião com o movimento “Fora Gestão Robinson, na última quarta-feira (21), o presidente João Paulo Silva revelou ser do “time” que é a favor que os associados votem. Mas, desde que haja regras.

O quadro de sócios do Vozão conta com 36.427 pessoas, segundo consta no site oficial do clube. Esses torcedores pagam valores mensais para garantir entrada antecipada em jogos que o Alvinegro é mandante. E, para clientes, esses alvinegros querem ter o direito de eleger o presidente e sua gestão para comandar o Ceará.
Torcida do Ceará
Torcida do Ceará detém dos três maiores públicos da Série B 2023. Foto: Divulgação / Ceará SC

Atualmente, apenas os conselheiros têm este privilégio. Mas, a cobrança da torcida e de até alguns membros do Conselho Deliberativo é que o sócio-torcedor tenha o direito a votar para decidir quem vai ficar à frente do Time do Povo. O valor do sócio-proprietário, inclusive, é algo que muitos reclamam.

João Paulo Silva, mandatário alvinegro, disse que vai ter uma reunião com Dr. José Barreto de Carvalho Filho, presidente do Conselho, para alinhamento de baixa no preço para que possa estar dentro da realidade financeira de torcedores que não são de uma classe social avantajada. Ele também disse que apoia a causa do voto do sócio. Mas, de uma maneira que seja bem definida.

“Estarei me reunido com o presidente do Conselho, Dr. Barreto, onde iremos abordar sim a redução do valor do sócio-proprietário. Sobre o sócio votar, sou a favor. Desde que seja criado um modelo bem definido”, disse o presidente do Ceará.

A liderança do movimento “Fora Gestão Robinson” ainda questionou se é verídica a notícia que circula sobre quatro atletas estarem exigindo titularidade para o treinador Eduardo Barroca. O dirigente negou com veemência.

“Não. O que está havendo são reuniões com vários grupos de jogadores e o técnico para feedbacks e assuntos propositivos. Pegaram uma situação com o técnico e quatro jogadores nesse momento de reunião e externaram com distorções, fazendo entender que era algo premeditado dos jogadores”, explicou João Paulo.