Dirigente da CBF garante que não há interferência política no retorno do futebol ao Brasil