OPINIÃO | Recomposição do Ceará: contratações e estilo de jogo

Foto: Divulgação / Ceará SC

Texto produzido pela colunista Ana Clebia.

Na atual temporada, o Ceará tem feito uma campanha totalmente irregular. Na Série B do Campeonato Brasileiro, o time está trazendo melhores resultados fora de casa. O que ainda não compreende em bons resultados, trazendo preocupação a boa parte da torcida. É de entendimento de todos que melhorias precisam ser feitas para garantir o acesso.

A maior média de público é nossa. Atualmente essa média é de 38 mil torcedores, porém, está longe de ser a melhor fase pro Vovô dentro de casa. Os números dão a entender que está tudo “certo”. Mas, para quem acompanha, a estes não convencem.

O goleiro Richard aparece como maior defensor junto com Diogo Silva, do CRB-AL. Mas, isso não quer dizer que o goleiro não sofra gols. Na verdade, indica que o Ceará elevado mais perigo e, consequentemente, demandando mais defesas do arqueiro, que em alguns lances leva falhas grotescas.

richard ceará
Richard, goleiro do Vozão. Foto: Divulgação / Ceará SC

Junto com ele aparece Chay como maior driblador da Série B, apesar não encantar a torcida como um todo. O autor do gol olímpico ainda ressaltou a impaciência da torcida com a comissão técnica que, ao meu ver, já teve tempo de sobra para ditar seu estilo de jogo, tanto para seus jogadores quanto para os adversários.

A inconstância e a falta de atitude dentro de campo desanima qualquer esperança de acesso. O time não consegue impor seu jogo, não tem sucesso no contra-ataque e aparece muitas vezes apático em campo demorando para encontrar uma forma eficaz de jogar com o oponente seja ele qual for.

Com a janela de contratações aberta, o clube precisa ser certeiro. Precisando principalmente de jogadores nas laterais onde claramente há falhas. O mercado traz poucos nomes por agora nessa posição, portanto a análise precisa ser minuciosa.

Com uma lista de contratações de prováveis dois laterais, um meia e dois atacantes, o Alvinegro se vê na necessidade de encontrar um “time titular” pois, com as baixas no departamento médico, não cabe mais ao técnico Eduardo Barroca fazer testes e improvisos com os jogadores a essa altura.

Eduardo Barroca, treinador do Ceará.
Eduardo Barroca, técnico do Vozão. Foto: Divulgação / Ceará SC

Porém, mesmo com todas as especulações de contratações e a visível falta de aptidão da equipe, na coletiva feita da última segunda (19), o diretor de futebol, Albeci Júnior, justificou o injustificável e normalizou o que não é normal. De acordo com ele “foram jogos que fugiram da nossa realidade”, citando os três jogos em que tomamos 9 (NOVE!) gols contra o Guarani-SP, Novorizontino-SP e CRB-AL, respectivamente.

O retorno no domingo (25) vem repleto de expectativas, visto que o tão citado “tempo” passou e a recomposição precisa se mostrar aparente. Esperamos que as contratações venham para somar e que o Ceará “vire a chave” e arranque para o ascender à primeira divisão. Precisamos de vitórias e não há desculpas para ficarmos pendurados no meio da tabela.